top of page
  • Foto do escritorAisha Raquel Ali

Encontro de Cinema faz 16 anos com o tema"Uma Viagem atravès das Raízes, dos Olhares e das Conexões"

Estudar o passado para preservar o futuro

Crédito da Foto: Still


Será realizado entre os dias 24 de outubro e 01 de novembro a 16ª Edição do Encontro de Cinema Negro Zózimo Bulbul, em diversos espaços importantes do Rio de Janeiro. E para celebrar mais um ano, o evento traz o tema "Uma Viagem nas Raízes, Olhares e Conexões", que busca aproximar Brasil e África ainda mais, através de suas conexões. Com recorde de inscrições, a curadoria, que é liderada por Laza e por um coletivo de cineastas, recebeu mais de 730 filmes.


A abertura receberá dois filmes africanos: um de Madagascar e um da Tanzânia e o "Deixa", da cineasta Mariana Jasper. A edição vai contar também com parceria entre o Centro Afro Carioca e o Encontro de Filmes Curtos do Madagascar, manifestando-se através de exibições especiais, bem como de uma residência partilhada, dedicada ao cinema de animação stop motion. Dentro da programação haverá também a apresentação do filme "Alma no Olho", de Zózimo Bulbul, que completa 50 anos de seu lançamento. O curta atravessa alguns séculos da história desde a África antes da invasão européia até a vida de exclusão imposta aos negros na sociedade brasileira.

"Esta nova relação reforça o nosso compromisso com a diversidade e o alcance global do Encontro de Cinema Negro. Na verdade, ao explorarmos esta nova ligação, descobrimos algumas semelhanças cativantes entre Madagascar e o Brasil, ecoando como o cinema pode transcender distâncias geográficas para tocar os nossos corações e mentes. Nossa ideia é fazer uma conexão real com a África, fazendo um intercâmbio trazendo cineastas de Madagascar para cá, agora em outubro, e levando nossos cineastas para participar do encontro que acontecerá lá em novembro. Estamos estudando o passado para preservar o futuro" - celebram Laza Razanajatovo, diretor de curadoria do evento, e Biza Vianna, diretora executiva do Encontro.


Ao longo dos 15 anos de trajetória, o Encontro de Cinema Negro já veiculou mais de mil filmes do Brasil, da África, do Caribe e de outros locais da Diáspora negra. Ao todo, foram mais de 700 seções que permitiram um mosaico cinematográfico rico e diversificado, desenhando a história do povo negro. "Este ano, queremos que o nosso Encontro seja mais cativante do que nunca, pois não só celebra o mundo do cinema, mas também o legado inestimável de Zózimo Bulbul. Este homem visionário dedicou sua vida à arte cinematográfica como forma de explorar questões cruciais como o racismo e a importância das contribuições históricas da comunidade negra na construção do Brasil", pontua Laza, que assina também a curadoria do Fespaco, além de já ter feito parte das curadorias do Berlinale e Cannes.


Laza Razanajatovo Produziu as obras da maioria dos jovens realizadores malgaxes dos últimos 15 anos. Presidente da APASER (Aliança Pan-Africana de Argumentistas e Realizadores), está muito envolvido em projetos de defesa dos direitos dos autores africanos.


O diretor de comunicação do Encontro, Vitor José, reforça que 2023 tem sido um ano de muitas conquistas para o Centro AfroCarioca de Cinema e a expectativa é que se torne ainda mais promissor após o evento.


"Este ano tem trazido novos ares, pessoas, conexões e oportunidades importantes para os próximos 15 anos deste trabalho tão importante. O Centro AfroCarioca de Cinema, em 2023, tem tido uma evolução institucional em cada um dos projetos propostos. É emocionante ver cada um deles se materializando. Feliz de ter certeza de que os próximos anos serão ainda mais firmes, com mais movimentos e pessoas envolvidas", celebra Vitor José.


A 16ª edição do Encontro de Cinema Negro Zózimo Bulbul será dividida em vários espaços da cidade importantes para representatividade do cinema e da cultura negra. Compõe a cadeia de salas de exibições o Cine Odeon e mais três museus, como o Museu de Arte do Rio (MAR), o Museu de Arte Moderna (MAM), Museu da História e da Cultura Afro-Brasileira (MUHCAB), além do Centro Cultural Justiça Federal (CCJF). E voltando às primeiras edições do Encontro, o evento traz parte da programação ao Centro Cultural Leão Etíope do Méier, importante espaço aberto na Zona Norte .


"Para esta edição, embarcamos em uma busca emocionante, guiada pelas palavras-chave que ressoam dentro de nós cineastas e público. Ancestralidade, família, amores diversos, pertencimento, memórias e vestígios: estes termos não são apenas conceitos, mas portas de entrada para mundos interiores e exteriores que se sobrepõem, questionam e nutrem-se mutuamente. Através destas lentes, exploramos a profundidade das nossas raízes comuns e o significado de cada imagem que dança na tela", diz Laza.


O Encontro é uma janela cinematográfica, uma plataforma de intercâmbio, de partilha de ideias e de perspectivas. Cineastas e aspirantes a cineastas, de vários locais do mundo, se reúnem para conectar, colaborar e cultivar uma comunidade cinematográfica que transcende fronteiras. "Juntos, vamos celebrar a diversidade e a inclusão, a criatividade e a expressão. Nestes tempos em que as vozes precisam ser ouvidas e as histórias partilhadas, a 16ª edição do Encontro de Cinema Negro Zózimo Bulbul iluminará as nossas telas e as nossas mentes com uma luz nova e poderosa", comemora Biza Vianna.


Formações


O Centro Afro Carioca de Cinema Zózimo Bulbul também oferece atividades formativas durante o Encontro de Cinema Negro, através do Gira Afro.Lab, que tem o objetivo de fortalecer a inserção de projetos com narrativas negras no circuito comercial do audiovisual brasileiro. Além disso, o Encontro contará também com pitching e uma premiação de R$5 mil para o projeto que ficar em 1° lugar, e consultoria para o 2° e 3° lugares, e a imersão em animação para 10 pessoas.


Zózimo Bulbul


Zózimo Bulbul nasceu no Rio de Janeiro, em 1937. Ator, cineasta, produtor e roteirista, Zózimo atuou em diferentes frentes da produção audiovisual brasileira, é o primeiro negro a protagonizar uma telenovela além de trazer sua luta antiracista em sua produção cinematográfica como diretor.


Em 2007, fundou o Centro Afro Carioca de Cinema, onde desenvolveu um trabalho de referência para a Cinematografia Afro Brasileira e é fundador do Encontro de Cinema Negro Zózimo Bulbul.


Na década de 60 trabalhou com importantes nomes do Cinema Novo, como Glauber Rocha e Cacá Diegues, entre outros. Realizou um longa metragem em 1988 sobre a Abolição. No ano de 2010, a convite do Presidente do Senegal, Zózimo realizou o filme "Renascimento Africano", que mostra o Senegal nas comemorações dos 50 anos de independência do país africano. Zózimo Bulbul faleceu em janeiro de 2013, deixando um legado de mais de 40 filmes, entre atuação e direção, e diversas premiações e participações em festivais.


Serviço

16ª Edição do Encontro de Cinema Negro Zózimo Bulbul


Entre os dias 24/10 e 01/11


Locais de exibição


Cine Odeon - Praça Floriano, 7 - Centro, Rio de Janeiro


Museu de Arte do Rio (MAR) - Praça Mauá, 5 - Centro, Rio de Janeiro


Museu de Arte Moderna (MAM) - Av. Infante Dom Henrique, 85 - Parque do Flamengo, Rio de Janeiro


Museu da História e da Cultura Afro-Brasileira (MUHCAB) - R. Pedro Ernesto, 80 - Gamboa, Rio de Janeiro


Centro Cultural Justiça Federal (CCJF) - Av. Rio Branco, 241 - Centro, Rio de Janeiro


Leão Etíope - R. Dias da Cruz - Méier, Rio de Janeiro


Entrada: Gratuita

6 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page