top of page
  • Foto do escritorAisha Raquel Ali

Como uma nonda no mar



Quando Lulu Santos, em 1983, trouxe em parceria com Nelson Mota a música “Como uma onda no mar”, a minha visão de adolescente era bem material, física, concreta. A vida seria o respirar, o bater do coração. A dor era a topada na pedra. A onda seria tão somente a força do vento sobre a superfície do mar. Com o passar do tempo compreendi que a letra propõe um mergulho mais profundo, algo que sai do tangível para um sentido de vida, deixou de ser tocado para ser sentido.


Entre muitas interpretações existentes sobre a letra da música, fico com a de que os compositores beberam na fonte de Heráclito, filósofo nascido em Éfeso 540 AC, que trouxe uma teoria contrária aos pensadores da sua época. Para ele o mundo e a natureza são constantes movimentos, segundo qual, tudo muda o tempo todo, todas as coisas movem-se e nada é imóvel, nada fica estático.

O homem tende a querer congelar emoções, em emoldurar momentos ou situações. Nesta linha de pensamento o otimista afirma da possibilidade de se perpetuar a felicidade, já o pessimista se prende na ideia que a vida é uma dor sem fim.


Esta ideia de transitoriedade trazida por Lulu, Nelson Mota, Heráclito também foi um elemento norteador do grande médium mineiro Chico Xavier, que, quando questionado sobre tristeza ou alegria, afirmava que “isso também passará”.

Nada do que foi será.

De novo do jeito que já foi um dia.

Tudo passa, tudo sempre passará.

Os apreciadores do surf sabem que as sequencias de ondas nunca são parecidas, sempre tem suas variações, a melhor forma de entrar, e, de sair. Não são padronizadas, simétricas, fixas, como o homem quer para a sua existência, não, elas surgem desafiando o surfista, não o deixando numa zona de conforto, assim é a vida.


A vida vem em ondas,

Como um mar.

Num indo e vindo infinito.

A insegurança do homem moderno o leva a querer aprisionar sentimentos, afinidades, amores. Acredita que congelando um momento feliz vá eternizar um relacionamento no nirvana. Porém ...

Tudo que se vê não é

Igual ao que a gente viu há um segundo,

Tudo muda o tempo todo no mundo.

O surfista que acredita na perpetuidade da felicidade ou da dor, dropará ondas apenas para se enganar, surfará na mentira, viverá em estado constante de aflição emocional, de quedas dolorosas, de pontuações insuficientes para seguir a próxima etapa.


Não adianta fugir,

Nem mentir para sim mesmo, agora,

Há tanta vida lá fora,

Aqui dentro sempre

Como uma onda no mar


Ou seja, caro surfista da vida, se esta onda não foi maneira, atravesse a arrebentação novamente, a próxima sequência está se formando, outras melhores estão por vir, ou não, isso é o de menos, porque não existe um mar perfeito, existe sim um mar a ser surfado.

3 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page