top of page
  • Foto do escritorAisha Raquel Ali

Agressão a atacante do Flamengo: o que se sabe e o que falta saber sobre o caso

Pedro Guilherme foi agredido com um soco no rosto, na noite do último sábado (29), em Belo Horizonte, após a vitória do rubro-negro sobre o Atlético-MG. O suspeito da agressão é o preparador físico do próprio time que foi demitido.

O atacante do Flamengo Pedro Guilherme, de 26 anos, foi agredido com um soco no rosto, na noite do último sábado (29), em Belo Horizonte, após a vitória do rubro-negro sobre o Atlético-MG. O suspeito da agressão é o preparador físico do próprio time, Pablo Fernández, de 54 anos.

O que ocorreu?

O atacante do Flamengo Pedro Guilherme afirma que foi agredido com um soco e tapas no rosto pelo preparador físico do time, no último sábado (29), após a vitória do rubro-negro sobre o Atlético-MG, por 2 a 1.

Segundo o jogador, as agressões ocorreram no vestiário da Arena Independência, no bairro Horto, na Região Leste de Belo Horizonte.

Essa não é a primeira vez que Fernández se envolve em um episódio de agressão. Em agosto de 2021, durante o jogo entre Nice e Olympique de Marselha, pelo Campeonato Francês, ele deu um soco em um torcedor que havia invadido o gramado e participado da confusão entre jogadores e comissões técnicas dos dois times.

O que diz a vítima?

Pedro Guilherme prestou queixa sobre o caso, na madrugada de domingo (30), em uma delegacia da Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG). Aos policiais, o atacante disse que estava no vestiário conversando com familiares pelo celular, após a partida pelo Brasileirão, quando foi abordado por Fernández.

Segundo o boletim de ocorrência, o preparador físico questionou por que o jogador abandonou o aquecimento na beira do gramado, nos minutos finais do jogo. Em seguida, deu tapas na cara de Pedro. O atacante, então, tirou a mão de Fernández, que, na sequência, lhe deu um soco no rosto. Pedro afirma que outros jogadores do Flamengo tiveram que conter o preparador físico.

O que alega o suspeito?


Neste domingo (30), o preparador físico publicou uma nota. Ele pediu desculpas e lamentou ter reagido "da pior forma". Veja abaixo a nota na íntegra:

"Eu poderia começar essas palavras de mil maneiras, mas a única que realmente faz sentido é pedir desculpas. Ao Pedro, aos colegas, aos trabalhadores e ao Flamengo.


Entrei no vestiário muito chateado, querendo resolver logo a situação e fiz errado. Foi planejado que hoje seria um dia de folga. É uma pena, porque eu gostaria de poder, primeiro, falar sobre isso pessoalmente com todos os funcionários do clube. Senti-me muito magoado com uma situação e reagi da pior forma.


Estive pensando sobre o que aconteceu por horas e gostaria de poder voltar no tempo. Mas não se pode. O que existe é o presente e o futuro. Isso é pedir perdão e tentar novamente. Todas as vezes que for necessário. Lamento e gostaria de corrigir.


A alta competição geralmente tem coisas que nos fazem mal. Situações de alto estresse que nos fazem reagir e pensar mal. Não pretendo situar esse contexto como uma desculpa, mas como uma explicação.


Definitivamente, se eu tivesse divergências com o Pedro deveria tê-las resolvido em outro momento e de outra forma. Vou tentar fazer isso acontecer. Vou trabalhar para mudar e ser melhor."


O que diz a Polícia Civil?

A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) disse que os envolvidos foram encaminhados e ouvidos por meio da Central Estadual do Plantão Digital. O atacante também passou por exame de corpo de delito, que apontou lesões no rosto e na boca. Veja nota da instituição abaixo:

"A vítima, de 26 anos, foi encaminhada ao Instituto Médico-Legal André Roquete (IMLAR) para realizar o exame de corpo de delito, onde foram constatadas lesões leves no rosto e na boca. Após as procedimentos de polícia judiciária, foi lavrado um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO), em que o envolvido, de 54 anos, assumiu o compromisso de comparecer à audiência no Juizado Especial Criminal para as medidas legais cabíveis, conforme previsão legal, foi liberado", disse a PCMG.

Qual foi a repercussão do caso?

A primeira manifestação de Pedro sobre o caso foi em uma rede social, horas após o episódio. Ele disse que foi agredido covardemente e se queixou do tratamento da comissão técnica do Flamengo, liderada pelo treinador Jorge Sampaoli. Pedro, que atualmente é reserva, não entrou em campo no sábado (29).

"Poderia estar aqui falando dos escassos minutos recebidos nos últimos jogos, mas o que aconteceu hoje foi mais grave do que pode acontecer dentro das quatro linhas. Covardemente, sem motivo e inexplicavelmente, fui agredido, com um soco no rosto. A covardia física se sobrepôs diante da covardia psicológica que tenho sofrido nas últimas semanas", escreveu Pedro.

O que diz o Flamengo?

O Flamengo demitiu Pablo Fernández no começo da noite deste domingo (30). A direção ainda terá uma reunião com Jorge Sampaoli para definir o futuro do treinador. Nas redes sociais, o técnico do clube postou sobre a confusão.

"Não acredito na violência como solução. Isso não nos leva a lugar nenhum. Nem na vida, nem no futebol. O que aconteceu ontem me deixou muito triste. Ofuscamos uma vitória impressionante com uma disputa interna cujas razões existem, mas neste momento não importam. A história me mostrou que a única solução é a conversa", escreveu o treinador.

1 visualização0 comentário
bottom of page